segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Não gostas... comes mais p'ra gostar!

Depois de um jantar totalmente fracassado composto por massa liofilizada (significa sem água, que se mete em água a ferver, passando a constituir uma refeição para 2, o que é sempre bom porque a porção correspondente à segunda pessoa vai sempre para o lixo porque eu sou só uma) e salada (à qual decidi juntar um molho horrível por nao me apetecer fazer o molho de azeite e vinagre do costume), comecei a pensar que realmente sou uma pessoa muito estranha. Senão vejamos:

Não gosto de maçãs – a não ser em saladas, cortada aos cubos, ou em tarte de maçã ou struddel ou alguma sobremesa.

Não gosto de peixe. Sabe mal - sabe a peixe – e tem espinhas. Esporadicamente gosto do línguado que grelham em Peniche ou na Ericeira, ai o “César” da Ericeira!!! O atum enlatado poderá ser consumido eventualmente em paté (com ketchup) ou com esparguete e muitas natas (e cogumelos e ketchup!). Bacalhau pode ser ingerido e até é apreciado. Caviar e salmão, nem pensar!!!

Não gosto de marisco. Com a excepção de camarões e ameijoas. Berbigões, mexilhões, sapateira, lagosta e coisas do género podem estar incluídos no arroz de marisco, mas não serão comidos!

Não gosto de caracóis. Para mim é como voltar aos tempos de criança em que o que se tira do nariz ainda é para comer.

Não gosto de ver comer dióspiros. Mas gosto de comer.

Chocolates – como after-eights, chocolate com passas e o chocolate brasileiro da Garoto (chocolate de cajú, maravilhoso!). Nada de chocolate de avelã!!! Nada de Baci ou Ferrero Rocher. Esporadicamente, e quando a vontade é grande, poderei comer chocolate de cozinha. Barras de chocolate de leite puro não são de um modo geral muito apreciadas. O chocolate branco pica a língua.

Biscoitos de chocolate só da Bauducco (também marca brasileira - à venda em Portugal tal como o chocolate Garoto, mas só em alguns supermercados. Acreditem que faço uns quilómetros só para o comprar!). Nada de bolachas príncipe ou coisa que o valha. Tem de ser bolacha de chocolate com recheio de chocolate!

Não gosto de cajús (só do chocolate de cajú).

Nozes picam a língua, tal como o chocolate branco! Melão pica a língua! Ananás pica a língua!

Não gosto de côco nem de coisas que contenham côco.

Gosto de café, embora não beba devido aos meus “problemas cardíacos”. Não gosto de nada que tenha sabor a café e que não seja café.

Gosto de iogurtes de morango (aliás, acho q só como iogurtes de morango. Às vezes compro sem ser de morango, mas vão para o lixo). E de doce de morango apenas com torradas com manteiga. Nada de misturas de morango com chocolate, tipo em bolachas. Fondue de chocolate com morangos é bem-vindo.

Gosto daqueles queijos sem sabor. Tipo flamengo. Queijo da Ilha pica a língua!

Não gosto de borrego. Não gosto de cabrito. (Gostava, mas trazem-me recordações de 4 kilos perdidos em Punta Cana depois de ter comido, entre outras coisas, um cabrito que já devia ser... “cabrão”... É como o cão de Pavlov – estímulos positivos, estímulos negativos). Não gosto de leitão. Enfim, não gosto de meninos! Ehehehe!



De resto, como de tudo!

Um beijo com saudade... Do arroz de polvo da mãezinhaaaaaa!!!

3 comentários:

Ana Carvalho disse...

Lololololololololol Tu não existes, mulher! :) Lololololololololol

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
pedro disse...

Há uns dias atrás, durante uma sessão de msn, a conversa resvalou para um tema que já sabia ser perigoso, mas que após ler a tua última adição ao blog, vejo que pode mesmo ser mortífero!

Trata-se do tema do casamento. Nesse dia quase que te pedi em casamento, tu não percebeste (julgo eu) mas estive quase…quase...

No início da leitura da tua dissertação gastronómica “Não gostas…comes mais p´ra gostar!” comecei a lamentar não me ter "declarado", mas à medida que avançava na leitura percebi a sorte que tive em ser tão "tímido". Passo a explicar, analisando a tua psicologia, à luz da tua escrita.

"...constituir uma refeição para 2, o que é sempre bom porque a porção correspondente à segunda pessoa vai sempre para o lixo porque eu sou só uma.." : o que queres realmente dizer é que comes a tua parte com sofreguidão e prazer, e depois deitas fora a outra porção apenas porque de qualquer modo já não a conseguias engolir e assim convences-te que és equilibrada, que não comes porcarias perigosas, que te preocupas com a linha, etc – dissimulada!

"...à qual decidi juntar um molho horrível por não me apetecer fazer o molho de azeite e vinagre do costume... – preguiçosa!

"...sou uma pessoa muito estranha..." : julgas que não percebi que dizes isso para que os amigos digam, "nada disso, és uma pessoa normal" ? – descarada!

“Não gosto de maçãs…” & “Enfim, não gosto de meninos!” : nem da de Adão? e de meninas gostas? – depravada!

“Não gosto de peixe…” : mas foste logo referir o linguado?? – mente deturpada!

“Não gosto de marisco. Com a excepção de camarões e amêijoas. Berbigões, mexilhões, sapateira, lagosta e coisas do género podem estar incluídos no arroz de marisco…” : resumindo, afinal até gostas de marisco! – aldrabona!

“Não gosto de ver comer diospiros.” : porquê, pelo ranger dos dentes?
“Mas gosto de comer.” : gostas de diospiros? de certeza? – inventaste esta, confessa!

“Não gosto de caracóis.” : vá lá, aqui concordamos, também não gosto de comer nem de ver comer (concordamos num ponto, ok, já podemos casar)

“Chocolates…” gostas de uns e não de outros como toda a gente, com isso estás apenas a dizer que tipo de chocolate queres que te ofereçam! – interesseira!

“Biscoitos…bolachas…cajus” – idem!

“Nozes…Melão…Ananás… Queijo da Ilha” : picam? bem, dizem que quem não gosta de picante, não gosta de sexo!

“Não gosto de côco nem de coisas que contenham côco.” : apetecia-me fazer um trocadilho com a acentuação…mas vou deixar passar.

“Gosto de café, embora não beba devido aos meus “problemas cardíacos””. : problemas cardíacos? uma jovenzinha como tu? ora adeus! – hipocondríaca!

“Gosto de iogurtes…às vezes compro…mas vão para o lixo” – gastadora!

“Gosto daqueles queijos sem sabor” : gostas de algo que não tem sabor? que tinhas bebido quando escreveste isto? (agora reparo, não mencionaste os gostos pelo álcool em lado nenhum, porque será?)

“Não gosto de borrego. Não gosto de cabrito. (Gostava…” : gostas? não gostas? – insegura!

Portanto, um rol de boas qualidades para o casamento!
Mas agora o golpe final: “com saudade...do arroz de polvo..”
Gotas de polvo, hem? vejamos as características do bicho.

“O polvo é um animal que pertence aos moluscos. Não tem ossos e o seu corpo é mole.
Vive no mar, junto ao fundo, por onde rasteja. Mas apesar de ter um aspecto muito estranho, o polvo consegue nadar muito depressa com a ajuda dos seus oito tentáculos cheios de ventosas! O órgão reprodutor do macho é um dos tentáculos (e tu comes aquilo? eh eh)”
Nojento! quem pode gostar de uma coisa assim?

“A reprodução é sexuada (vá lá, vá lá) e inicia-se com um ritual de acasalamento que pode durar várias horas ou dias (que desempenho!). Algumas horas posteriores à cópula o macho morre (safa! mas ao menos morre satisfeito). A fêmea após a fecundação deposita os ovos em um ninho. Os pequenos polvos recebem o cuidado parental apenas da fêmea (pudera, o macho já morreu não é?). Ao final dos cuidados a fêmea morre (toma, bem feito!).
Para comunicar, caçar, cortejar ou proteger-se os polvos mudam de cor, passam de pintas coloridas a riscas pretas e brancas, ou mudam a textura da pele, ou então usam os tentáculos para imitar plantas aquáticas (quem é que também é dissimulada, quem é?)”

Ora aqui estão as minhas razões para o perigo de um casamento com alguém que apresenta tantas afinidades com o polvo.

E agora uma preciosidade final.
Polvo come tubarão: http://utuga.blogs.sapo.pt/164427.html