sexta-feira, 6 de julho de 2007

E porque hoje é Sexta-Feira...

...e eu - embora me apetecesse ir dar um giro pela cidade, não me posso aventurar por um bar sozinha porque... olhem, porque tenho medo de ser abduzida (por extraterrestes portanto) e de ninguém dar pela minha falta e depois o telemóvel fica sem rede e eu não posso avisar que não vou dormir a casa - decidi ficar a ganhar energias para um super barbecue que tenho amanhã e para o qual prepararei uma bela sangria!
Bem sei que a sangria é mais tipicamente Espanhola do que Portuguesa, mas tenho aperfeiçoado a minha técnica e portanto poderei apresentá-la como minha especialidade. E mais nada!
Agora ao tema de hoje - boring as usual, mas isto serve mesmo é para me entreter. Estava a falar com um amigo na Internet quando, por piada, utilizei a palavra "destrocar", devidamente assinalada com as aspas para que se percebesse que estava na brincadeira! Daí surgiu-se-me uma ideia. Criar uma lista de palavras&termos que detesto ouvir. Se tiverem ideias "ajuntem-nas" aí.
- destrocar - utilizada na frase "tens aí moedas pra destrocar a nota?"
- "destorcer" - (ou destroce) - utilizada geralmente pelos arrumadores de carros, para que "distorçamos" o volante?!
- comer (o substantivo e não o verbo) - utilizado em "então o que é o comer hoje?"
- voltar a refazer, voltar a redobrar (e coisas do género) - afinal quantas vezes é que a acção foi feita?
- "há-des" - em, por exemplo: "há-des vir cá pedi-las!" vou, vou! vou é aí cortar-te a língua para não dizeres disparates!
- gosto também da confusão que há relativamente às palavras tráfico (de armas, de drogas) e tráfego (trânsito, tráfego aéreo). O tráfego de armas faz-me cá um.. prurido (ehehe).
- uma gira que já presenciei (eu não, mas a minha irmã e pais, que vai dar ao mesmo): "Vira ali quando chega à fábrica dos tijóis!" (sendo que tijóis estava a ser utilizado como o plural de tijolos. É como os cavais!).
Há ainda outras palavras que, não estando incorrectas, são bastante irritantes (falo por mim, claro está), como é o exemplo de: remela (mais conhecida por ramela), sovaco, gaja, "cramalheira" (para nos referirmos aos dentes, que deve vir de cremalheira, um sistema de rodas dentadas), "rego" ou "rêgo" (nem sei bem como escrever isto, meaning... you know what!).
(e, não me lembrando neste momento de mais expressões orais, deixo dois ou três erros
bastante comuns na escrita):
-"á" - "Á dias fui à quinta" ou , ainda melhor "Á quantos dias fostes à quinta?". Sem comentários!
- "fazer-mos, querer-mos, poder-mos" - até arrepia!
- os belos advérbios de modo com acento: rápidamente, fácilmente, amávelmente. A minha professora ensinou-me uma frase que nunca me "esquece": OS ADVÉRBIOS DE MODO NÃO LEVAM ACENTO!
Não sendo eu perfeita, tento sempre dar o meu melhor quando escrevo ou falo, ainda por cima agora que falo muito pouco Português. Mas às vezes sou traída por esta cabeça loira. Ainda ontem dei uma calinadaaaaa (agora não me lembro, mais foi grave). Enfim, é a vida de emigrante!
Um beijo com saudade!
P.S. - Uma das coisas que ando sempre a trocar é aquela história da palma das mãos e da planta dos pés, por exemplo. Para mim é tudo palma! Só para não acharem (ainda mais) que tenho a mania!

2 comentários:

Jarod disse...

Foi a rabuJenta...

Está desculpada Engenheira, acontece aos melhores ;)

Ana Carvalho disse...

Colega! ;)
Como eu te entendo! A mim até se me arrepiam os pêlos dos braços quando ouço/ leio coisas destas. E aquele célebre trocadilho que nunca falha em todos os cafés em que entremos, como resposta ao nosso "Queria uma garrafa de água (por exemplo), sff":
- Queria? Então já não quer?
Que espiritualidade, que vontade de lhes dar com o prontuário nas reais ventas! :P